22/01/12 – Porão

 

“É nestas horas que você sente falta da riqueza de detalhes.

Bárbaro, aleitão, rifomicina.

Sejam todos muito bem-vindos esta noite.”

- Introdução Henrique Disto

Flanger – Funeral March

(boletim da piração//16:47 – eu estava sabotando o título desta nota mas acabei formalizando-o dentro de todos os conformes em repeito a você, meu caro leitor eventual com interesse em coisas banais como a localização espaço-temporal.)

Fat marley – Ruo (17:60, quer dizer, 17:31,, dedos sujos de gesso da parede sublimemente esparramados sobre meus dedos explodindo diretamente da cova no teto que a furareira cavuca)

(agora, teclado do notebook também coberto de gesso.)

(e agora, 17:36, no meu estômago, após comer uma passa-tempo cheia de gesso)

Pronto, agora tudo volta à normalidade. Lustre instalado, música de volta, mandril na mão, sucesso.

O Ministério da Classificação Geológica adverte:Quando, algumas frases atrás, a palavra “gesso” foi citada, não necessariamente ela significava gesso, na vida real. Foi simplesmente escolhida por motivos de semelhança física e um sério risco de levar a frase a ser precisa demais.)

(espere um pouco – eu disse “mandril na mão”? Isso quer dizer que ainda preciso guardar mais uma coisa. Já volto.)

“Por que é tão fácil reconhecer um ovo podre? Porque quando ele tá podre você não tem a menor dúvida.” – Sabedoria Popular

(poucos milisegundos antes de ‘podre’ eu tinha escrito ‘poder’, e enquanto eu digitava a frase paralelamente eu pensava na complexidade de pensar numa sabedoria popular com um ‘ovo poder’)

- 18:08 – de volta ao omelete com tomate e queijo que eu vou comer acompanhado de picanhinha suína feita na churrasqueira.
– “Antes de respknder à sua pergunta, eu tenho três perguntas para o senhor: de onde veio, qual o nome dk seu pai e quem se você tem autorização oficial para contato físico.”– “Mas eu só perguntei que horas são!”
18:13 – agora de volta mesmo.

Alpino é vida.*

* ( tudo aquilo em volta, que veio antes e depois dele, também. Consumidor, não se engane! )

Rumbora de volta aos rabalhos – 18;45

Foi a Rabanácula da Euritéia que comeu sua mãe e deu você, seu plebeu das montanhas.

- Ideia para uma obra para expor na “nuvem” da internet: Criar um portal de relacionamentos com salas de chat, murais, etc., vídeos com histórias de successo, mas só com personagens fictícios, criando perfis e conversas, construindo complexas tramas de relacionamentos.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>