Monthly Archives: December 2011

1/12 – em cima da ponte do sumaré 20:50

Jaspion, kawabanga, detrimento.

O que você prefere adivinhar:
O peso ou o preço do coreto?

Por onde oscila a lira do histrião:
A sul a norte ou longe paca?

(enough of sissy pseudo-poetry)
- reprime o censor do auto-caos

(enough of sissy phrases in english)
- reprime o outro

(ó quem fala… hipócrita!)
- reprime o um.

De chofre subitamente o assunto muda para presunto.

E morre.

O cão vibrou de alegria quando o Zé Bedeu Chupando Manga ganhou o troféu e o título naquele ano.

Ilumina idalina
a lamparina que eu te dei
Entrou pra história o Harakiri Hanukah de Japoronga Goldenberg

08/12/11- sala de casa após chegar da padaria após lerder a estreia da peça cloudclown

Bundamole, balalaika, ermitão.

Acabo de ter contato com um objeto do futuro.
Foi mais ou menos assim: estava eu na padaria chique da pio xi  quando na saída do caixa para pagar, vejo entre as revistas do display uma pilha vertical de revistas “Time”. A capa era algo como “the putin’s problem”. E a data era 12 de dezembro.
“Deerr… é a data final…é ‘até essa data’” – me dizem.
Mas eu não entendi muito essa lógica e continuo achando que acabo de folhear um objeto vindo de algum lugar no futuro. Provavelmente eu nunca vou lembrar de confirmar no futuro a publicação dessa revista em seu espaço-tempo certo, então não importa.

Ideia de camisetas para a marca “Agora Pode”:
- Tá estressado? Vai fumar um baseado!
Estou no notes do ipad.
Antes de transportar mais um lote de pífio material desconexo para o evernote, permita-me, ó leitor do futuro seja você quem seja, colar abaixo alguns rabiscos escritos em outra ocasião (não sei qual nem quantas) que já estavam pouco acima nesta mesma nota:

>INÍCIO DA COLAGEM

“Toda cerca viva um dia vira uma cerca véia”
Aplicativo do jogo “dicionário”, que manda por bluetooth as definições de cada um já nomeadas para o mestre da jogada ler de opçōes aos outros e ver quem adivinha a correta e quem é enganado pelos outros

Novo sambinha:
“deixa esvair… Ô deixa esvair…”

Se todo mundo fosse como eu, o brasil ia ser conectado por maria fumaça.
Ass: Frederico Filippi

Escala da loucura: “babou não tem jeito”

Ele nao é sempre assim, é que ele tá preto de pulga.

>FIM DA LIBERTINAGEM

Mascarpone e Moscatel – dupla dinâmica de araque

(segredinho: quando vim aqui pro evernote eu ENTULHEI a nota de tags. Só parei quando escrevi uma palavra errado e tive que corrigir.)

 

11/12/11 – indo pro anhangabau de metrô

Boléia, perDigão, quaresma

“digno de nota” título para uma compilação de notas indigmas de nota

“estação, sumaré”
Diz-se agora por aqui no meu presente, seu passado.

(algumas linhas atrás foi cunhada pela imprevisibilidade a palavra indigma, que é uma boa palavra)

Indigmado pela situação, o stigmata pediu demissão.